segunda-feira, 26 de maio de 2008

Entendendo a vontade de Deus


Óleo sobre tela, "Sara entrega Hagar a Abraão", de Adriaen van der Werff.

“Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte”. (Proverbios 14:12)

O versículo que abre este texto é um dos poucos, em toda a Bíblia, que se repete. O mesmo texto, com poucas alterações, pode ser lido mais adiante no próprio livro de Provérbios, 16:25, e isto certamente não é obra do acaso. Se o rei Salomão, autor tanto do livro de Provérbios quanto de Eclesiastes, fez questão de repetir esta advertência, com certeza se trata de algo que merece nossa atenção. O rei a quem o Antigo Testamento trata, reverentemente, como o mais sábio e mais rico que já existiu, nos ensina uma verdade que, se fosse apreendida, nos evitaria muitos dissabores ao longo da nossa existência: a dura e forte verdade de que, muitas vezes, aquilo que parece absolutamente certo e correto para nossa vida pode não apenas fugir aos padrões de Deus, como se tornar uma séria ameaça para nossa vida.
Quantas e quantas vezes, ao longo de sua vida, você mesmo já não se deparou com uma escolha que parecia tão coerente, tão racional, e que acabou sendo uma séria ameaça? Por não buscar a direção de Deus em oração, quantos de nós, muitas vezes, tomamos gestos precipitados que nos conduzem a uma situação de derrota, ou pior ainda, de vergonha?
A Bíblia menciona a história de um homem que, apesar de ter grande intimidade com Deus, um dia cometeu uma grande mancada. Abraão ficava entristecido com o desejo de Sara de ter um filho e não receber essa benção, por causa de seu ventre estéril. Deus havia prometido que ela engravidaria mesmo na velhice, mas desde então, anos já haviam se passado. Então, Sara pensou em uma solução que parecia muito prática: porque não dar à Abraão sua escrava, Hagar, para que ela engravidasse e assim ela finalmente tivesse um filho? Afinal de contas, a escrava era sua propriedade, e então o filho que ela gerasse também seria. Abraão, achando a idéia coerente, concordou, demonstrando, com sua decisão, que ele próprio não confiava muito na promessa de Deus.
Hagar engravidou? Sim. Mas a que custo... Não só o filho de Hagar, Ismael, pai dos povos árabes, se tornaria um inimigo do filho da promessa, Israel, dando origem a um conflito de mais de quatro mil anos que perdura até hoje, como o próprio Abraão teve graves conseqüências: por catorze anos, Deus não mais falou com Abraão.
Depois de sofrer muito tempo de sequidão espiritual desesperadora, finalmente Abraão ouviu a voz de Deus, que deu o remédio para toda aquela tristeza: “Abraão, anda na minha presença, e serás perfeito! (Gênesis 17:1)”. Ou seja, o remédio para evitar gestos que podem causar um profundo desastre em nossas vidas, ainda é o mesmo: andar na presença de Deus. E seremos perfeitos! E o mais maravilhoso ainda é saber que, perfeição, na ótica de Deus, não significa ausência de falhas, mas sim coragem em corrigir os rumos que não dão certo.
Se volte para Deus, e Ele certamente te conduzirá pelo caminho correto.
Deus te abençoe.

5 comentários:

Felipe disse...

Bonita a passagem.
Cada um tem uma interpretação.Mas são a verdade de Deus.

madrugada billing disse...

Não conhecia essa passagem. Muito bom conhecer. Deus é realmente importante. Sentimos a diferença, se repararmos bem, distintamente, de quando aceitamos Deus e de quando estamos afastados dele. Abraço.

Fabio disse...

belissimo texto, como o madrigada disse "Sentimos a diferença, se repararmos bem, distintamente, de quando aceitamos Deus e de quando estamos afastados dele"

Patrycia disse...

Passa lá no meu blog, pois deixei uma mensagem de agradecimento a todos que me ajudaram na votaçãoo, inclusive você.

Bjo grande!

Patrycia
acendedordelampadas.blogspot.com

Patrycia disse...

Olá! Bom, primeiro quero dizer que adorei o post.

Obrigada por suas palavras em meu blog e sim, tenho interesse em sua proposta.

Presto alguns serviços para uma empresa em Brasília é absolutamente viável tal tipo de atividade, mesmo à distânica.

Aguardo seu contato.

Patrycia
acendedordelampadas.blogspot.com