quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Ainda a Questão Palestina, e os mitos da ultra-esquerda


Mahmoud Ahmadinejad e Hugo Chavez: emblema da união de ocasião entre dois totalitarismos: o fundamentalismo islâmico e a ultra-esquerda latino-americana. A Questão Palestina, naturalmente, depende destes apoios...

Todos os palestino-simpatizantes (ou seja, simpatizantes do terrorismo do Hezzbollah, Fatah e que tais), quando confrontados com argumentos racionais a favor de Israel, sempre tentam rotular a questão como "problema religioso", "discurso fundamentalista" e outras ilusões.

Foi justamente por causa disto que tive o cuidado de deixar de lado, na minha postagem anterior, as justificativas meramente religiosas, para apresentar argumentos à luz da História, da Política, da Sociologia e da própria Lógica. Mas enfim, há quem prefira ignorar a própria realidade, se ela não estiver de acordo com os mitos ideológicos que algumas pessoas assumem...

Há partidos no Brasil que pregam, abertamente, o fim do Estado de Israel. Justamente partidos de ultra-esquerda, que devem todo seu ideário ao judeu Karl Marx. Gente que não conhece nem mesmo a história do pensamento que pensam abraçar, pois antes de 1948, a luta pela existência do Estado de Israel era uma das bandeiras da esquerda. Hoje, claro, defender palestino é muito mais popular. Essa gente sem escrúpulos da ultra-esquerda brasileira e internacional, está sempre atrás do auto-intitulado "oprimido" da vez...

E isso que a esquerda sempre se orgulhou de defender a "auto-determinação dos povos". Hoje em dia, Israel é uma exceção nesta regra, pois nenhum partido de esquerda defende abertamente o direito de Israel à existência. Antes dos escândalos do "mensalão", o atual governo patrocinou uma pantomima diplomática, chamada "Cúpula Árabe e Sul Americana", algo assim. Sob o falso pretexto de acordos comerciais, reuniu ditadores árabes e norte-africanos para criticar Israel. Logo o Brasil, que na era FHC, chegou a ser oficialmente convidado para arbitrar o conflito...lastimável.

2 comentários:

Na conta! disse...

Cara, adorei: "Hoje, claro, defender palestino é muito mais popular"

E como você mesmo intutulou, MITO!

Resposta a sua pergunta:
Em nenhum momento condenei quem tinha opinião contraria a pratica homossexual. Muito antagonio a isso: deixei explicito que EU SOU CONTRA A PRATICA, mas isso não me da o direito de infligir o respeito que deve-se ter para com um ser humano.

O foi discutido com idignação e revolta, foi ela ter tratado homossexualidade como doença!

Agradeço seu comentario.
Espero que tenha exclarecido.
E volte sempre! ^^'

Na conta! disse...

Antagonico*
Perdão!