sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Jovens: Vencendo a "Cultura de Morte"



Eu vos escrevi, jovens, porque sois fortes, e a palavra de Deus está em vós, e já vencestes o maligno. (1ª Epístola de João, 2:14b)

Um garoto de 16 anos, na cidade de Porto Alegre, vivia escondendo dos pais a tristeza e a depressão que consumiam sua vida. Passou a participar de uma comunidade virtual na Internet, chamada “suicídio.com”, onde discutia com outros jovens as formas mais eficazes para cometer suicídio. Segundo o que aprendeu com outros jovens igualmente depressivos, acabou se suicidando com infusão de monóxido de carbono.
Um jovem de 20 anos foi morto com um tiro na cidade de São Gabriel, também no Rio Grande do Sul, às 4 horas da manhã. O rapaz fazia parte de um grupo de jovens que tinha por hábito usar roupas pretas, tomar cerveja e entoar canções de apelo emocional profundamente depressivo.
Estes dois exemplos ocorridos no Rio Grande do Sul, no mês de fevereiro de 2008, revelam uma “verdade inconveniente” que a sociedade e a mídia preferem ignorar, esconder debaixo do tapete: nossos jovens estão morrendo, vítimas de uma cultura e de um estilo de vida que incentiva a depressão, o amor à morte, uma verdadeira cilada demoníaca que têm destruído centenas de vidas na flor da idade.
A Palavra de Deus, de forma muito profunda, define que a natureza verdadeira do jovem é a alegria. O apóstolo João, ao dizer “eu vos escrevi jovens, porque sois fortes”, usou uma expressão que, no radical hebraico, significa alegria. E se a maior característica do jovem é a força, o sacerdote hebreu Neemias complementa, ressaltando que “a alegria do Senhor é a nossa força (Ne 8:10). Ou seja, a verdadeira essência do jovem, segundo a vontade de Deus, é uma alegria que provém do Senhor. Igrejas repletas de jovens são sempre igrejas alegres. Igrejas onde faltam jovens, são, de alguma forma, igrejas tristes.
No entanto, o jovem sem Jesus desconhece esta alegria profunda e verdadeira, e este vazio no seu coração, muitas vezes, tem sido ocupado por mensagens de auto-destruição, de verdadeiro culto à tristeza. Meninos pelas madrugadas bebendo e cantarolando a morte. Meninas oprimidas pelo culto à beleza, desenvolvem anorexia e outras doenças decorrentes da depressão.
A verdadeira alegria que o jovem pode adquirir provém de Jesus. A Bíblia e a História estão cheias de relatos de jovens que, movidos pela alegria de Deus em seus corações, transformaram o mundo em um lugar melhor.
Josué e Calebe, dois jovens, foram os únicos dentre os doze espias de Israel que acreditaram que Deus os daria a Terra Prometida. Por conta disso, Josué foi escolhido para conduzir o povo na vitória em Jericó, e Calebe recebeu sua possessão por herança.
Daniel e seus três jovens amigos, Sidrac, Misac e Abed-Nego, recusaram-se com firmeza servir a outros deuses. Daniel foi salvo da boca dos leões e seus três amigos sobreviveram a uma fornalha de fogo ardente.
Davi, um jovem excluído pela própria família, foi ungido Rei, venceu um gigante fariseu apenas com sua fé e se tornou alguém tão precioso perante Deus que o próprio Senhor declara que ele foi “um homem segundo o meu coração”.
E por fim, o maior de todos os exemplos: Jesus, um jovem galileu que pregou a mensagem da redenção, foi crucificado com apenas 33 anos e conquistou a vitória absoluta sobre a morte, demonstrando que outros jovens, seguindo seu exemplo, não precisam mais se deixar vencer pela depressão ou pelo desejo de suicídio. Cristo já venceu o poder do pecado e da morte, e pode nos conduzir nesta direção. Basta que o aceitemos em nosso coração.
Seja forte, Jovem Valente! Deus será contigo!

7 comentários:

André Logan disse...

Suicidio é a forma mais covarde de se morrer... pq a pessoa não acaba só com a própria vida, mas principalmente de quem fica...

Bruno Monin disse...

Não sei, mas de alguma forma você escrfeveu tudo o que sinto. Claro que descarto a opção de suicídio, mas me sinto tão vazio por dentro, num depressão tão louca que não consigo achar uma saída. As vezes penso em ir à igreja, mas não me sinto capaz por conta de meus atos e pensamentos, não acho justo ir à uma igreja pedir a Deus o seu perdão, mas ao mesmo tempo sei que Deus me perdoaria...

Desculpe o desabafo...

Séries e etc... disse...

Boa forma de levar a Palavra aos jovens... "entrando" no meio deles...
Concordo, em parte com seu texto, pois, entre outras coisas, vc se esquece que nem todas as famílias são perfeitas. Existem os pais separados, os negligentes, os não preparados etc, enfim, muito dificilmente um jovem que cresce em uma família como as citadas acima será um jovem feliz.
Esse não é o meu caso, ainda bem. Sou católica, graças a Deus, de uma família também católica, mas não acredito que a opção religiosa de alguém seja o caminho para a felicidade.
Enfim é melhor eu ficar por aqui.
Um abraço!

Carlos André disse...

Só uma coisa, pastor, para quem se importa com o preciosismo dos dados, vale lembrar que o caso do jovem de 16 anos NÃO ocorreu em fevereiro de 2008, apenas foi divulgado nesse mês porque um CD com uma coletânea de músicas deixadas pelo jovem veio a público agora.

E isso de ficar "entrando no meio" de jovens ou velhos não parece exatamente comportamento aprovado pela ortodoxia de tua fé.

Gabi Ferrony disse...

Caçei um comentário teu no blog organizado pela Márcia e lembrei que há muito te devia uma visita.

Cá estou, encantada com a beleza dos teus textos ! Da política à (in) felicidade juvenil, consegues dar às palavras a fé e a ideologia da alegria lúcida que perpassa tua vida.

E um viva a este mundo blogueiro que me faz descobrir entre amigos, escritores de dar orgulho !!!!

Beijos,

Gabi

http://eternofugaz.blogspot.com/

CresceNet disse...

Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my site, it is about the CresceNet, I hope you enjoy. The address is http://www.provedorcrescenet.com . A hug.

beatriz sá disse...

Minhas filhas de 28 e 30 anos sorriem quando falo em existir uma Cultura de Morte e perguntam se é meu modo de ver as coisas. Como eu queria mostrar a elas que não é mera opinião pessoal, entrei na internet e pus no google a expressão "cultura de morte". Que bom que achei seu texto - vou poder mostrar a elas que não sou a única a pensar assim.