sexta-feira, 4 de janeiro de 2008

Encontrando Cristo em Zacarias 3


Profeta Zacarias, em pintura de Michelângelo

Uma das passagens do Antigo Testamento que nos fornece material mais rico em referências sobre o caráter e a natureza do Messias de Israel pode ser encontrada no capítulo terceiro do Livro de Zacarias, profeta cujo nome significa “Deus traz à Memória”, e que exerceu seu ministério nos anos finais do cativeiro babilônico. Este capítulo nos relata a visão simbólica do profeta contemplando o sacerdote judeu daqueles dias, Josué (Yoshua, que no hebraico tem a mesma grafia e significado de Jesus – Yeshua, “Deus salva”), com seus trajes sujos, como se numa espécie de Tribunal Divino. O trecho que aqui pinçamos é da tradução de João Ferreira de Almeida, Revista e Atualizada, da Sociedade Bíblica do Brasil:

1 E Ele mostrou-me o sumo sacerdote Josué, o qual estava diante do anjo do Senhor, e Satanás estava à sua mão direita, para se lhe opor.
2 Mas o Senhor disse a Satanás: O Senhor te repreenda, ó Satanás, sim, o Senhor, que escolheu Jerusalém, te repreenda; não é este um tição tirado do fogo?
3 Josué, vestido de vestes sujas, estava diante do anjo.
4 Então respondeu, aos que estavam diante dele, dizendo: Tirai-lhe estas vestes sujas. E a Josué disse: Eis que tenho feito com que passe de ti a tua iniqüidade, e te vestirei de vestes finas.
5 E disse eu: Ponham-lhe uma mitra limpa sobre a sua cabeça. E puseram uma mitra limpa sobre a sua cabeça, e vestiram-no das roupas; e o anjo do Senhor estava em pé.
6 E o anjo do Senhor protestou a Josué, dizendo:
7 Assim diz o Senhor dos Exércitos: Se andares nos meus caminhos, e se observares a minha ordenança, também tu julgarás a minha casa, e também guardarás os meus átrios, e te darei livre acesso entre os que estão aqui.
8 Ouve, pois, Josué, sumo sacerdote, tu e os teus companheiros que se assentam diante de ti, porque são homens portentosos; eis que eu farei vir o meu servo, o renovo.
9 Porque eis aqui a pedra que pus diante de Josué; sobre esta pedra única estão sete olhos; eis que eu esculpirei a sua escultura, diz o Senhor dos Exércitos, e tirarei a iniqüidade desta terra num só dia.
10 Naquele dia, diz o Senhor dos Exércitos, cada um de vós convidará o seu próximo para debaixo da videira e para debaixo da figueira.


A Bíblia Hebraica de Jairo Fidlin e Davi Gorodovitz, tradução rabinicamente reconhecida do Antigo Testamento para a língua portuguesa, apresenta praticamente o mesmo texto, quase sem discrepâncias, o que nos permite uma análise que sirva para a compreensão de ambos os credos.
Os judeus contemporâneos, seguindo o exemplo do Judaísmo da Idade Média, simplesmente se recusam a admitir a existência de evidências da messianidade de Jesus Cristo no Velho Testamento (no Hebraico, Tanakh). Rejeitam especialmente a idéia de que o Messias de Israel tenha características divinas, abominando a idéia de que o Messias possa ter os mesmos atributos da divindade, como apregoa a Doutrina cristã da Trindade.
Vejamos, entretanto, a situação apresentada por Zacarias.
Josué, o sumo sacerdote, está com seus trajes sujos, diante do Anjo do Senhor, e Satanás está presente, como uma espécie de promotor, advogado de acusação.
O sumo sacerdote Josué está com as vestes “imundas”. Alguns exegetas bíblicos, como Luís Alonso Schökel e J.L Sicre Diaz, no livro “Profetas”, apontam que este sumo sacerdote simboliza a própria missão de Cristo. Em defesa deste ponto de vista, sustentam que as vestes do sacerdote, antes sujas e depois limpas, simbolizariam a missão que Jesus cumpriu na cruz, ao levar sobre si as iniqüidades do povo e purificar nossos pecados. No entanto, por motivos que ficarão mais claros ao longo do texto, preferimos nos identificar com a posição de João Calvino, que no seu livro “Comentários sobre Zacarias”, vê no sumo sacerdote um arquétipo do próprio povo de Israel.
É bom lembrar que, no período da profecia, a monarquia judaica estava dissolvida, sob o domínio do império babilônico, e portanto, na ausência de um rei o sumo sacerdote era a única referência da unidade nacional e étnica de Israel. As “vestes sujas” do sacerdote indicariam, portanto, o estado moral de um povo que relutava em reconstruir o Templo de Jerusalém.
A sujeira que transparece nos trajes do sacerdote também merece ser analisada. No original hebraico, a raiz do adjetivo imundo remete ao excremento humano. Portanto, as vestes do sacerdote estão cobertas de fezes humanas, o que dá uma dimensão do horror que o pecado causa aos olhos de Deus.
Diante do sumo sacerdote, está outra figura que merece menção: o Anjo do Senhor, que atua como advogado e juiz, o que em si já aponta para um ministério bastante específico. A expressão “Anjo do Senhor”, indica, claramente, que não se trata do próprio Javé, mas de um representante. No entanto, trata-se de um representante muito especial, um ministro plenipotenciário, que por vezes, atua como se o próprio Deus fosse. É o que ocorre, por exemplo, no versículo 4, quando ele ordena que os trajes de Josué sejam tirados, e em seu lugar sejam colocadas roupas “de gala”, ou seja, uma veste sacerdotal limpa e reluzente. Este ato significa a remissão dos pecados, uma atitude que só pode ser praticada pelo próprio Deus. Se este Anjo (melech, no hebraico, ou seja, “mensageiro”, “representante”) pode praticar este ato, certamente isso indica que ele detém prerrogativas divinas. Veja que ele diz no mesmo versículo: “Eis que tenho feito com que passe de ti a tua iniqüidade”. Ora, ele não diz “Eis que o Senhor tem feito”, ou “Eis que o Eterno tem feito”, mas ele mesmo, o Anjo, remiu a iniqüidade do sacerdote.
Portanto, o Anjo do Senhor que aparece nesta visão de Zacarias, intercedendo pelo povo de Israel e perdoando pecados, é, claramente, o próprio Cristo. Vejamos o que diz Calvino, quando comenta a expressão do versículo 2, “O Senhor te repreenda”:

“Deus fala aqui; e ainda que ele dá a impressão de ser o Anjo de Jeová. Mas, isso não é inescrutável. Pois, como no último verso, em que Zacarias diz que Josué estava diante do Anjo de Jeová, sem dúvida significa Cristo, que é chamado de Anjo e também de Jeová; assim, também, ele pode ser chamado nesse verso. Mas, que nenhuma pessoa contenciosa possa dizer que nós refinamos demasiadamente acerca destas palavras. Nós podemos tomá-las - simplesmente – que Deus menciona aqui seu próprio Nome na terceira pessoa, e esse modo e falar não é raro nas Escrituras”.

Outro versículo que merece menção, com certeza, é o versículo sétimo, quando o anjo declara ao sacerdote: Assim diz o Senhor dos Exércitos: Se andares nos meus caminhos, e se observares a minha ordenança, também tu julgarás a minha casa, e também guardarás os meus átrios, e te darei livre acesso entre os que estão aqui. “Os que estão aqui”, no local em que ocorre a visão, são, sem dúvida alguma, os anjos que testemunham o julgamento, e que sob as ordens do Anjo do Senhor, trocam as vestes do sacerdote. Sendo o sacerdote um arquétipo da comunidade dos crentes (o povo de Israel e a Igreja), há que se considerar o que significa a expressão “livre acesso”. Aqui, nos socorre o entendimento do teólogo monergista Jefté Alves dos Santos, para quem a expressão “livre acesso” significaria o fim das restrições (mitsvot) e prescrições da Lei Mosaica. Este entendimento se coaduna perfeitamente com a Teologia da Graça, através da qual os crentes tem livre acesso a Deus, por meio da obra de Cristo, o eterno Sumo Sacerdote (Hb 4.16).
Diante do sacerdote, que em última análise, simboliza toda a Lei Mosaica, é colocada uma Pedra sobre a qual estão sete olhos. A “Pedra” é mais uma referência evidente ao “Renovo”, à “Raiz de Jessé”: o Messias, o Cristo, a quem o próprio apóstolo Pedro, centenas de anos mais tarde, chamaria de “Pedra angular”, “Pedra viva”. Sobre esta pedra estão sete olhos. O sete indica um número de perfeição, ou seja, perfeita e total atenção para com essa pedra. Os sete olhos, apontam para a atuação do Espírito Santo, tipificado nos Sete Espíritos de Deus (Isaías 11). Apocalipse 5;6 afirma que o “Cordeiro de Deus possuía sete olhos, que são os sete Espíritos de Deus enviados por toda a Terra”.
A Trindade emana desta visão profética de Zacarias em sua plenitude de atuação, apontando claramente a Jesus como um Messias Divino em sua missão redentora.

2 comentários:

young vapire luke lestat news disse...

Sou matemático e cético...
No entanto, seu texto faz uma analogia, um tanto surreal...
Como já foi provado o pintor genial Michelangelo era um ateu.
Pintava obras sacras apenas por dinheiro.
Tal como pintaria artes profanas se assim surgisse trabalho.
Esta é a minha opinião...

[]s L.Sakssida

agsinfronio disse...

Boa abordagem do capítulo. Hoje não é diferente, relevante parte da igreja está com as vestes sujas. Enquanto eclesiaste 9:8 nos diz que sempre sejam alvas nossas vestes.